Meu blog mudou!

Voce vai ser redirecionado em 5 segundos. Se nao for, visite
http://www.pimentarosa.net
e adicione aos seus favoritos.

domingo, 8 de março de 2009

Tédio e consumo


Sei que ninguém aqui gosta de lição de moral em relação às compras, de olho torto nas nossas sacolas, de encheção de saco quando chega a fatura do cartão de crédito.

Mas hoje, por acaso, eu estou lendo um texto ótimo pra faculdade, chamado Tédio na Modernidade, da Kátia Flôres Pinheiro, e não pude deixar de pensar em como o tédio está, muitas vezes, ligado ao consumismo. E, no nosso caso, às makes.

O texto fala de que o Tédio é algo característico da modernidade, apesar de ter suas raízes lá no Romantismo (oi? lembram do Spleen?), e como ele consiste, basicamente, da falta de significação das coisas pra gente.

Todo mundo sente tédio, isto é fato. Mas não tô falando do tédio de domingo à tarde, quando não tem nada na tv, seu livro preferido acabou e o Msn tá o maior marasmo. Falo de tédio existencial, tédio de viver em uma sociedade como essa.

Achei legal que no texto ela fala de como temos esse sentimento de apatia e vazio apesar de sermos constantemente bombardeados de novidades. Novidades que também são tediosas.

Isso se aplica à make, não? Sai uma coleção nova, e a gente fica doida. Aí, quando vamos ver, temos três batons iguais, cada um com um nome diferente, de uma coleção diferente, mas de cores idênticas.
Quer dizer: precisamos mesmo de tudo isso?

Não que eu seja contra o consumismo. Não sou mesmo, gente. Seria hipocrisia da minha parte falar isso. Adoro fazer compras, adoro ter produtinhos novos pra experimentar, a sensação de ter um novo membro na família, e também fico toda feliz com os lançamentos. 

É só que.. acho que às vezes precisamos nos perguntar se estamos comprando aquilo porque realmente queremos/precisamos ou porque estamos entediadas. Sim ao consumismo, mas não ao consumismo desenfreado, irracional, que age pra mascarar os nossos problemas, os nossos assuntos mal resolvidos.

Digo isso sem apontar dedo pra ninguém. Atire a primeira pedra quem nunca comprou sequer um tic-tac de cabelo quando estava triste, se sentindo pra baixo.
Mas acho que maketerapia não cura problema. Prontofalei. 
Fazer uma maquiagem bonita, se cuidar, se produzir, é tudo muito bom pra auto-estima, mas nem todo problema é tão superficial que se resolve só com um par de olhos esfumados, né?

A questão é que eu acho que temos que saber separar as coisas. Eu quero consumir com equilíbrio, ter as minhas coisas, mas ter as minhas coisas porque eu gosto DELAS, e não porque gosto da sensação de comprá-las. Afinal de contas, quem é que quer ser uma Becky Bloom da vida? Que compra tão insanamente que não lembra nem o que comprou?

Esse post é mais uma reflexão do que uma acusação. Não se sintam ofendidas e nem nada. Todo mundo aqui ama comprar maquiagem, todo mundo se entende. 
Só queria convidar todas a serem mais atentas às suas compras pra ser mais feliz mesmo. Pra observar se ainda estão dentro do clubinho das consumistas ou se já passaram pra prisão das viciadas.

Porque vício, mesmo que seja por coisas tão lindas, ainda sim é vício. E ainda sim é ruim.


PS: Carlinha (í-do-la) escreveu um post maravilhoso na mesma vibe no Tutorial Make Up (link aqui). Desde que li eu ensaio o meu próprio disclaimer, mas nunca soube bem o que dizer.
Hoje o post apareceu inteirinho na minha cabeça, na maior vibe J. K. Rowling. Pena que eu não estava também num trem europeu.


3 comentários:

Mari disse...

"Falo de tédio existencial, tédio de viver em uma sociedade como essa."

Putzzz, eu sinto um tédio existencial brabo.

Carlinha disse...

Fefeh você falou TUDO!
Diria que meu texto e o seu se completam, só que o seu é bem mais gostoso de ler, o meu ficou mais com cara de aula... rss... Eu tenho que fazer terapia pra parar de agir como professora... rss... sou assim em todos os aspectos da minha vida, meu ex-marido falava "Você já notou que a maioria das suas frases começas com: Você sabia que..." rss..
Beijocas lindona!

Fefeh B. disse...

Mari, acho que todo mundo fala, né?

Calrinha, flor, achei seu texto ótimo, bem DIDÁTICO mesmo.

E não ouse mudar uma só vírgula no jeito em que vc escreve pq eu AMO!

Bjos