Meu blog mudou!

Voce vai ser redirecionado em 5 segundos. Se nao for, visite
http://www.pimentarosa.net
e adicione aos seus favoritos.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Mudando de Assunto... Palestra do Patch Adams


Ontem fui a uma palestra do Patch Adams, o excêntrico médico em pessoa. 
A palestra foi meio mal divulgada na minha opinião. Fiquei sabendo através de uma amiga e me inscrevi no último dia. À noite. Ou seja, nem deu pra divulgar. Sad.

Rolou aqui no Club Homs, na Paulista.
Fui com minhas amigas da faculdade, todas animadíssimas. Quando que a gente ia imaginar uma oportunidade dessa surgiria? Afinal, Patch é ídolo, praticamente.

Enfim, todo mundo excitadíssimo, umas mil pessoas lá no auditório aplaudindo enlouquecidas quando ele entrou, no seu mais de 1,80m, cabelos grisalhos quase até a cintura, bigodón e uma roupa no melhor estilo Falcão.

Eu fui com minhas expectativas lá em cima, esperando absorver todas as palavras sábias daquele mestre. Such a mistake.

Me decepcionei, essa é a verdade.

Acontece que a palestra não foi nada do que eu imaginava, porque Patch Adams não era nada do que eu esperava.
Esperava ouvir sobre as idéias dele, os feitos, as realizações, o que ele gostaria de fazer e, claro, sobre toda a sua filosofia inusitada, seu modo peculiar de praticar a medicina.
Ao invés disso, me vi no meio de um discurso motivacional. Auto-ajuda pura.
Acontece que ele só deu dicas pra melhorar sua vida, do tipo "seja feliz". Foi um festival de clichês, com direito a um dos meus maiores momentos de vergonha alheia por alguém evá:

Patch:
- Todo mundo gritando: "Eu sou um herói!"

(Quase) Todo mundo:
- Eu sou um herói!!!!!

Ai, meu senso de ridículo.

Acontece que foram basicamente duas horas de positividade forçada enfiada guela abaixo, de frases clichezonas, como "Ame a vida", "Amo todas as pessoas!", "Amo amar!" e tals, regada a algumas pérolas que me fizeram querer levantar e ir embora, tipo:

"A depressão não é uma doença. Ela foi inventada pela indústria farmacêutica pra que as pessoas comprem remédios que não precisam. Ela é só um sintoma da solidão. A solução é fazer amigos!"

ou

"Na nossa clínica, NUNCA demos um remédio a um paciente sofrendo de doença mental. Só tratamos com amor!"

ou ainda

"Decidi que nunca mais seria infeliz na vida. Não ficaria triste mais nenhum dia!"

Gente, pelamor.
Cheguei a ficar triste é de ouvir esses absurdos.
Então depressão é estar sem amigos? Ah, meu Deus, todo mundo sabe que o negócio não é tão simples assim, vai. Quanta gente tem tantas pessoas ao seu redor e vive uma angústia enorme sem saber direito o porque? E os traumas que causam depressão? 

E isso de não dar remédio pra doentes mentais? 
Vou tratar psicopatas com beijinhos. Esquizofrênicos com abraços.
Isso é uma irresponsabilidade de se dizer, porque a pessoa pode não ter só um problema psicológico, mas também uma alteração química cerebral. Vou tratar os neurônios como? Fazendo cócegas pra eles ficarem felizes?

E essa asneira de ser feliz todo o tempo, o tempo todo, eu nem queria comentar. Super possível, né? Super verdade.
Ninguém sofre perdas, fica doente, tem seus dias de tristeza. Nãão, magina.

Desculpem meu cinismo extremo, mas fiquei muito decepcionada com essa palestra, e até me dói ter que criticá-lo, porque eu tinha muito carinho pela imagem que eu tinha dele na minha cabeça.
E o pior é que eu acho ele tem tanta coisa interessante pra dizer sobre ele, sobre o seu trabalho, que é uma coisa pioneira, inovadora.. E aí me aparece vestido de palhaço falando essas coisas?

É de ficar triste mesmo.

Eu sou contra também esse entupimento das pessoas por remédios, abomino medicação desnecessária. E, além disso, ela tem que vir acompanhada de tratamento psicológico. E vice-versa. 
Só amor ou só remédios não ajudam realmente.
Acho que o tratamento médico pode ser algo equilibrado: o médico não precisa ser de gelo, te olhando só como uma doença a ser curada, e não como uma pessoa, te tratando de forma impessoal e negligente. Mas também não quero que um maluco chegue na sala e me abrace, diga que me ama e peça pra eu contar os meus sonhos mais doces. 
Acho que dá pra chegar a um meio-termo, aproveitando os avanços da medicina até agora de forma responsável e dando um tratamento mais humano pras pessoas.

Mas sou terminantemente contra excessos. Excesso de pessimismo e excesso de positividade, aquela alegria forçada e quase maníaca.
Não gosto de coisas de auto-ajuda, tipo "Seja feliz em 5 passos" ou "Cure todos os seus problemas em apenas 30 minutos". Odeio soluções pra problemas psicológicos do tipo "faça você mesmo".

Acho que saúde, ainda mais saúde mental e psicológica é uma coisa que deve ser levada a sério. Odeio essa banalização do amor e da tristeza. Dizer que pra todo mundo "eu te amo" é a morte pra mim. Porque ninguém ama todo mundo!

E foi uma tristeza ouvir uma pessoa respeitada mundialmente falar pra uma sala lotada de gente que é possível, sim, ser 100% feliz 100% do tempo. 
Essa visão extrema e simplista pra mim é perigosa. Essa ditadura da felicidade, idem.

Eu é que não quero ser obrigada a ser feliz.
Me reservo no direito de ficar triste, às vezes. De sofrer, se assim for necessário. Essas coisas são parte da vida, e a melhor forma de lidar é entender e aceitar que elas existem, e não entrar numa negação doida que nem ele.

Podem xingar, jogar sapato, enfim.. Sei que a maioria não deve ter gostado de ter lido isso, porque Patch Adams é super querido. 
Mas acreditem, se alguém tivesse me contado, se eu não tivesse visto com meus próprios olhos e ouvido com meus próprios ouvidos, eu também não acreditaria.

14 comentários:

Ma Nascimento disse...

aaaah dona Fefeh Beraldo, sempre arrasando nos textos!
assino embaixo tudo isso que vc disse, eu já tive depressão e garanto que não foi por causa de falta de amigos, que coisa absurda!

eu já assisti várias palestras assim, quando trabalhava no banco, é uó demais, me dava um sonoooo! haahahaha
só não esperaria isso de Patch Adams né? to pasma!

BeijOkas

Kátia disse...

Primeira vez que passo aqui e adorei a forma clara e objetiva como se expressa.De fato uma decepção,mas parece que atualmente só se fala disso.
Beijos

Elyana disse...

Ai Fefeh, eu concordo tanto com vc que nem consigo dizer o quanto.
Já estou bem por aqui com essa ditadura da felicidade, da positividade, que amamos todo mundo...
É lógico que a gente quer ser feliz, é bom ser positiva e tratar todo mundo com respeito. Mas essa coisa de mundo cor de rosa que tentam nos empurrar güela abaixo super me irrita. E digo mais: se a gente não tiver momentos tristes, não vai saber valorizar os felizes.
Ah, e essa parte de tratar depressão com beijinhos, parece um discurso do Tom Cruise condenando a Brooke Shields por ter tomado anti-depressivos por causa de uma depressão pós-parto.
Pra mim isso é ignorância, isso sim.

carolina disse...

Tô muito surpresa com seu post, pois vi uma entrevista com esse mesmo médico Patch Adams. Achei tão lindo, que até gravei.
Ele foi maravilhoso, deu uma lição de vida, não falou baboseira alguma dessas q vc disse. Criticou muito a medicina dos EUA, as grandes industrias farmaceuticas.. o proprio filme Patch Adams. e muitas outras coisas que nem me lembro mais.
não é possivel q ele tenha se vendido assim pra palestrinhas auto-ajuda.
tô chocada. ;/

Milena disse...

Olha, eu vou dizer algo que raramente (muito raramente MESMO) eu digo pra alguém: assino embaixo. Concordo com tudo que vc disse.

Só quem já teve depressão, ou conheceu de perto alguém que sofreu desse mal, pra saber a besteira que é culpar apenas a solidão ou dizer que é falta de amor e de amigos. Isso é coisa de gente ignorante, e muito me entristece (ou seria emputece?) quando um médico se demonstra ignorante.

Por outro lado, não me espanta que o anormal do Tom Cruise pense assim. rs

Larissa disse...

Ai, gente... eu já não ia com a cara do indivíduo e depois de ler isso, eu abomino. Sério. Se eu tivesse lá, tinha levantado e dado na cara do véio e ia perguntar " e aí, véio tosco, me ama tb?"
Tenha santa paciência, né ( coisa que eu não tenho).
Coitadinha de vc, Feh, estava louca pra ir ver o véio e ele abre a boca pra pregar auto-ajuda barata.
:*

Aline disse...

pow... decepção mesmo.

detesto discursinho clichê de auto-ajuda e acho a depressão uma doença séria. ridículo ele falar isso.

acho que eu ia ficar bem arrasada de ouvir essas coisas tbm... O.o

(mas eu amo o filme patch adams com o robin willians!!! é excelente... acho que por isso que romanceamos um pouco a figura do cara né? pelo menos eu... )

bjooo!

Marília disse...

Aloha! Faz um tempinho, eu tava pesquisando sobre um iluminador da BeneFit e acabei encontrando seu blog. AMEI! Seu texto é uma delícia de ler, super divertido, parabéns! Quando eu tiver mais tempo vou vasculhar melhor seu blog pra conhecer um pouquinho mais sobre você! Adorei o post, e infelizmente vivemos nessa ditadura da felicidade mesmo... Aff, já escrevi demais! É isso, só queria deixar registrado que você acabou de ganhar mais uma seguidora, entusiasmadíssima! Até o próximo post! Beijinhos!

Ice disse...

na verdade eu acredito em tudo isso que o Patch disse sabe Re, concordo que talvez tenham pessoas doentes sim realmente doentes eu digo, mas a maioria é isso mesmo que o patch disse!

Tive o imenso prazer de conhcer a 'clinica' dele e realmente o povo la eh tipo feliz nao sei explicar! foi algo que jamais verei em outro lugar.

Mas eu tenhominha convicções e teses muitas delas coincidem com as do patch acho super digno que voce expresse sua impressao sobre tudo, mas sim ha pessoas que nao estao doentes (issonao pe negligencia ou puxasakismo) eu creio que as pewsoas absorvem coisas que as fazem tristes e acabam ficando cm depressao, e outras coisas, teses estas que nao so pensamentos meus baseei em algumas pesquisas já feitas anteriormente.

ALO escrevi um texto ausdhausdhaushd

bjo lindaa

JANA disse...

oi fofaa... to seguindo seu blog viu... ja tem maior tempão que ele tah njo favoritos no meu c e eu naum tinha notado ainda que não sou seguidora... =/

mas, agora sou...

ahh, http://garotasapequinha.blogspot.com

da uma olhadinha.. qm sabe vc gosta e segue tbm ^^

bjOs

Mari disse...

Ai nossa, quando li o título do post achei que você diria no mínimo que foi ótimo, mas realmente, quanta baboseira!

Fefeh B. disse...

Vcs são umas fofas, definitivamente! Sempre que acho que vão denunciar o blog e mandar fechar, vcs vem e concordam comigo ou discordam na maior elegância. Amo as minhas leitoras queridas!!

Má, brigada pelo elogio, amore! Sim, eu concordo com isso da depressão, não acho que é simples assim, viu... Tb fiquei mto decepcionada em ouvir isso do próprio Patch Adams.

Pois é, gente, se eu não tivesse visto eu mesma, não acreditaria tbm. Mas o fato é que a palestra foi bem daquelas motivacionais, de auto-ajuda mesmo. Acho um desperdício com o talento que ele deve ter, pq adoro a iniciativa dele na medicina, admiro mto mesmo. Foi uma decepção enorme pra mim.

Marília, obrigada pelos elogios, flor! Espero q goste do blog! Seja bem vinda e volta sempre! :)

Ice, se as pessoas absorvem coisas que as deixam tristes e isso resulta em depressão, não significa que elas estejam doentes então? Depressão não é uma coisa que vc tem só qdo tem um gde trauma, q nem qdo morre alguém. Eu estudo psicologia e posso te afirmar que não é simples assim, de vc simplesmente estar sozinho e precisar fazer amigos. A solidão é que pode ser um sintoma da depressão, mas as pessoas depressivas não necessariamente estão sozinhas. Quanta gente tem depressão cercada de gente querendo ajudar?
E outra, depressão não é uma coisa passageira, é algo que vem durando a muito tempo, tem mtos fatores. Acho que é até desrespeitoso com a minha profissão simplificar uma coisa dessas, tão séria, que tem tanta teoria explicando como é e como tratar, e dizer que é sair e fazer amigos. Se for assim, pra que eu estou fazendo 5 anos de curso então?

Bjos meninas!

Lidiani Feliciano disse...

Nossa! Fiquei pasma ao ler o seu texto sobre o médico...Ele vem a Goiânia e tava doida querendo saber como faria para prestigiar esse "evento", mas fui salva pelo "gongo". Era bem provável que eu saísse de lá pior do que entrei, pois concordo com todas as linhas do seu texto. E tb, principalmente, sou contra excessos, extremismos. É isso aí, ainda bem que existe comunicação. Até!

Fefeh B. disse...

Lidi, eu fiquei mto depecionada, viu. Recomendo sempre q a pessoa vá pra ver com os próprios olhos, formar a própria opinião. Mas.. se vc não gosta desse tipo de "pregação", como eu, já te aviso q não vai curtir mto!
De nada, flor!

Bjs!